Skip to content

Pesquisas sobre poluição precisam ser fortalecidas, USP

25/01/2015

24 outubro 2013 às 7:30

Uma equipe da Universidade de São Paulo cruzou os dados sobre densidade populacional e poluição atmosférica, disponíveis no site do Banco Mundial, com a base de dados “Web of Science”, um índice de citações online mantido pela Thomson Reuters, uma agência internacional de notícias.

O levantamento mostrou que é preciso ampliar as pesquisas sobre o impacto do ar poluído na saúde em volta do mundo. Por enquanto, elas estão concentradas na América do Norte e na Europa, seguidas por China, Austrália, Brasil e Japão. Este tipo de pesquisa é quase inexistente na África, na Índia e nos demais países da América do Sul.

O estudo também mostrou que os países com piores índices de poluição atmosférica são os com menor produção científica sobre o tema. Segundo os seus autores, as nações em desenvolvimento contribuíram com apenas 5% das pesquisas já feitas sobre o tema.

Enquanto países desenvolvidos como Estados Unidos, Canadá e a maioria dos europeus apresentaram os índices mais baixos de poluição, entre 5 e 20 microgramas de material particulado inalável por metro cúbico de ar (μg/m3), as nações em desenvolvimento, que estão concentradas na América do Sul, no Norte da África e nas regiões próximas à Índia e à China, ficaram nas faixas mais altas, entre 71 μg/m3 e 142 μg/m3.

A recomendação da OMS (Organização Mundial da Saúde) para o poluente são valores abaixo de 20 μ/m3.

Para Lais Fajersztajn, principal autora da pesquisa, os resultados indicam que a ciência é uma ferramenta importante para mudar esse cenário e precisa ser fortalecida nos países em desenvolvimento por colaborações internacionais.

“Vale dizer que os dados ainda são subestimados, pois consideram regiões muito grandes e diversas. O Brasil, por exemplo, está na mesma faixa dos Estados Unidos, que é a mais baixa. Mas é uma média de todo o país, que tem lugares muito poluídos e outros pouco poluídos”, esclareceu Lais.

De acordo com Paulo Saldiva, do Laboratório de Poluição Atmosférica Experimental da Faculdade de Medicina da USP e orientador de Lais no estudo, o mapa da poluição mostra que as regiões com pior qualidade do ar são também as mais densamente povoadas.

Mais na revisa da Fapesp: http://agencia.fapesp.br/17827

Anúncios

From → Uncategorized

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: