Skip to content

Tartufos ajudam a preservar árvores na Itália

20/01/2015

3 novembro 2010 às 8:30

Foto de http://www.albatartufi.com/

Este fungo, encontrado em florestas úmidas do Sul da França e Itália, tornou-se uma iguaria da culinária internacional e, hoje, mobiliza seus fãs pela preservação das árvores junto das quais se formam. O mais raro, o branco (foto) chega a ser disputado em leilões internacionais, ultrapassando uma centena de milhar de euros o quilo. Isto tem mantido defensores atentos, que vêm lutando para impedir o avanço das vinhas sobre áreas silvestres, naquelas regiões famosas também pelos vinhos que produzem.
A espécie clara, Tuber magnatum Pico, só existe em Alba, na região de Piemonte. Ali, acontece anualmente, um leilão mundial beneficente do tartufo branco, todo segundo domingo de novembro, no Castelo de Grinzane Cavour. A fama deste produto de aroma e paladar ímpar fortaleceu-se graças a Giacomo Morra, proprietário do hotel e restaurante Savona que organizou sua divulgação para celebridades e autoridades após a Segunda Guerra Mundial.

O quilo do branco gira, atualmente, em torno de 1.200 euros, chegando a 3.000 euros o maiores e mais aromáticos. O do preto, entre 300 e 400 euros. Esta valorização do produto, também chamado de trufa, dá qualidade de vida às pequenas comunidades onde tartufeiros treinam cães e embrenham-se no mato nas primeiras horas da manhã em busca deste cogumelo subterrâneo. A partir da atividade deles, nutre-se um mercado de venda do produto fresco e outro de condimentos trufados, além de restaurantes requintados, mantidos por famílias com suas receitas secretas, passadas de geração a geração.

O Brasil tem a maior biodiversidade do mundo. Suas matas também possuem muitas raridades, capazes de encantar os sentidos humanos, tanto na culinária, quanto em cosméticos. Mas estas riquezas ainda carecem de serem melhores aproveitadas. O próprio conhecimento destes produtos não está ainda registrado e nem protegido face à ganância alheia. Quem não se lembra quando um japonês registrou para si o termo “cupuaçu” com exclusividade, obrigando o Brasil a gastar para se defender e reaver o nome de um fruto típico daqui?

É possível apoiar as comunidades tradicionais que conhecem bem os produtos da floresta para gerar e ampliar oportunidades de negócios sustentáveis, como acontece com as trufas há mais de um século na Europa.

Conheça mais sobre os tartufos ou trufas aqui:
http://www.albatartufi.com/
http://www.trovatartufi.com/
http://www.tuber.it/

Veja um tartufeiro em ação:

Anúncios

From → Uncategorized

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: