Skip to content

Quer ser voluntário internacional?

20/01/2015

27 agosto 2010 às 7:00

Foto: Voluntárias da Fundação Dorina Nowill para Cegos

Anualmente, cerca de 7.500 pessoas de 150 diferentes países trabalham como voluntários internacionais das Nações Unidas. Dois terços dos voluntários trabalham nas duas principais regiões de atividades, que são a África e a Ásia.

Há oportunidades para profissionais experientes atuarem em projetos de cooperação nacional e internacional de desenvolvimento. Além da cooperação técnica, o núcleo do trabalho concentra-se cada vez mais em áreas de apoio humanitário, de preservação e respeito dos direitos humanos e da preparação e observação de eleições.
Para saber mais, consulte o site de voluntariado do PNUD Brasil.

Para quem busca exercitar, sem sair do país, o altruísmo – e desfrutar da consciência leve por sentir que colabora em melhorar a vida de outros – uma excelente opção é consultar os Centros de Voluntariado, mapeados pela iniciativa Faça Parte: http://www.facaparte.org.br/, fundada em 2001, com a missão de promover a cultura do voluntariado, ou também no portal http://www.voluntarios.com.br/, onde voluntários e entidades têm um espaço de busca e divulgação de suas necessidades.

“É natural do ser humano querer ajudar. A gente se sente muito bem fazendo isso”, conta Beatriz Costa, voluntária da Fundação Dorina Nowill para cegos. Ela e suas amigas contam que trabalho voluntário gera satisfação e crescimento mútuo, para quem doa seu tempo e suas habilidades e para quem se beneficia dessa doação.

Trabalho voluntário: satisfação e crescimento mútuo

20 agosto 2008 às 17:00

Fazer trabalho voluntário já foi sinônimo de ‘fazer caridade’. Como se apenas um lado recebesse benefícios e o outro doasse. Na prática, contudo, sente-se que os dois lados ganham – e muito – com a experiência.

“Eu aprendo muito. Chego a me arrepiar com as lições que o trabalho voluntário me proporciona”, conta Vera Lúcia Augusto, voluntária da Fundação Dorina Nowill para Cegos.

Vera atua como voluntária há 13 anos e já contribuiu com diversos projetos. “As histórias de vida que conheci, os exemplos me inspiraram e ensinaram muito”, completa Vera.

“É natural do ser humano querer ajudar. A gente se sente muito bem fazendo isto”, conta Beatriz Costa, colega de Vera nas tarefas da biblioteca da Fundação.

voluntárias da Fundação Dorina NowillAs duas trabalham junto com Elizabete Ishikawa e Elisa Niccolini que esclarecem os detalhes para um serviço voluntário ser bom para todos os envolvidos.

É possível escolher qual a tarefa você deseja se envolver. Escolhida, é necessário manter o compromisso; ter regularidade e seriedade. Se não, prejudica-se a instituição que vai contar com uma ajuda e ficar na mão – orientam as voluntárias.

“É válido se preparar para a escolha de uma atividade voluntária. Os centros de voluntariado dão uma boa orientação e têm cadastros de iniciativas que se pode apoiar. Eu assisti à orientação no Centro do Voluntariado de São Paulo e me fez muito bem”, explica Vera Lúcia.

 

Anúncios

From → Uncategorized

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: